Malocclusion and prematurity at birth.
PDF (English)

Como Citar

Cantuaria de Tarso, M. . ., & Peixoto , J. C. . (2021). Malocclusion and prematurity at birth. Brazilian Journal of Implantology and Health Sciences , 3(3), 10-26. https://doi.org/10.36557/2674-8169.2021v3n3p10-26

Resumo

Newborns birth prematurely correspond to births with less than 37 weeks of gestation. There are some characteristics intrinsic to the premature ones that act in the Stomatognathic System, triggering the malocclusion. The objective of this article was to investigate the influences that prematurity at birth can generate in a dental environment, more specifically, triggering malocclusion. We searched the databases: Google Scholar and PubMED. In Google Scholar we used the search term: premature birth and malocclusion and dentistry and 2014 and 2015 and 2016 and 2017 and 2018. In PubMED we used the search expression: malocclusion and dentistry and born preterm. It was concluded that, in order to avoid malocclusion, methods of preventive approach in preterm births are necessary to enable adequate growth and development of the stomatognathic system. The encouragement of breastfeeding is related to the influence of breastfeeding, since if it does not occur it can lead to changes in the stomatognathic system.

https://doi.org/10.36557/2674-8169.2021v3n3p10-26
PDF (English)

Referências

World Health Organization. Preterm birth. Geneva: WHO, updated Nov 2015 [cited 2015 Dec 12]. Available from: Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/ en/

Organização Mundial da Saúde, Public health aspects of low birth weight, technical report series, v. 217, Genebra, 1961.

Gomella TL, Cunningham MD, Eyal FG, Zenk KE. Neonatologia: manejo, procedimentos, problemas no plantão, doenças e farmacologia neonatal. 5ª ed. Artmed: Porto Alegre; 2006. cap. 3, p.47-55.

Raju TN. Epidemiology of late preterm (near-term) births. Clin Perinatol, 2006; 33(4):751-63.

Medeiros Filho JG. Neonatologia – guia prática. João Pessoa: Ideia, 2008. p 35.

Silveira MF, Santos IS, Barros AJ, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da Prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev Saúde Pública, 2008; 42(5):957-64.

Ministério da Saúde. Manual de Vigilância do Óbito Infantil e Fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. Brasília – DF, abril de 2009. 77 p. Disponível em: http:// www.saude.gov.br/ Acessado em 26 de junho de 2018.

Spezzia S. Prevalência de Doença Gengival em Adolescentes Relacionada aos Estágios de Desenvolvimento Puberal de Tanner e ao Estado Nutricional. Parte II. [Monografia]. Especialização em Adolescência para Equipe Multidisciplinar. São Paulo: Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2014.

Spezzia S. Prevalência de Doença Gengival em Adolescentes Nascidos Pré-termo e a Termo. [Dissertação]. São Paulo: Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2016.

Soares Fernandes, A. P., & Battistella, M. A. . (2020). Dental Implants in Pediatric Dentistry: A Literature Review. Brazilian Journal of Implantology and Health Sciences , 2(2), 1-12. https://doi.org/10.36557/2674-8169.2020v2n2p1-12.

Rythen M, Noren JG, Sabel N, Steiniger F, Niklasson A, Hellstrom A et al. Morphological aspects of dental hard tissues in primary teeth from preterm infants. Int J Paed Dent, 2008; 18(6):397-406.

Seow WK. Effects of preterm birth on oral growth and development. Aust Dent J, 1997; 42(2):85-91.

Paulsson L, Bondemark L, Soderfeldt B. A systematic review of the consequences of premature birth on palatal morphology, dental occlusion, toothcrown dimensions, and tooth maturity and eruption. Angle Orthod, 2004; 74(2):269-79.

Germa A, Marret S, Thiriez G, Rousseau S, Hascoet JM, Paulsson-Bjornsson L et al. Neonatal factors associated with alteration of palatal morphology in very preterm children: The EPIPAGE cohort study. Early Hum Dev, 2012; 88(6):413-20. 78 Journal of Oral Investigations, Passo Fundo, vol. 9, n. 1, p. 67-81, Janeiro-Junho, 2020 - ISSN 2238-510X

Rythen M. Preterm infants-odontological aspects. Swed Dent J Suppl, 2012; (224):1-106.

Douglas CR. Fisiologia geral do sistema estomatognático. In: Douglas CR. Tratado de fisiologia aplicada às ciências médicas. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 816-27.

Okeson JP. Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão. 7ª. ed. Elsevier: Rio de Janeiro, 2013, 512 p.

Roulet PC, Chedid SJ, Corrêa FNP, Corrêa MSNP. A odontopediatra no contexto da promoção de saúde e na prevenção das oclusopatias durante o desenvolvimento da dentição decídua. In: Chedid SJ. Ortopedia e ortodontia para dentição decídua: atendimento integral ao desenvolvimento da oclusão infantil. São Paulo: Santos, 2013, p.195-242.

Usher RH. Clinical implications of perinatal mortality statistics. Clin Obstet Gynecol, 1971; 14(3):885-925.

Avery ME, McCormick MC. Are we forgetting some of the lessons of the past. J Perinatol, 1988; 8(3):187.

Lai PY, Seow WK, Tudehope DI, Rogers Y. Enamel hypoplasia and dental caries in very-low birthweight children: a case-controlled, longitudinal study. Pediatr Dent, 1997; 19(1):42-9.

Melo NSFDO. Intubação orotraqueal no período neonatal e o desenvolvimento de defeito no esmalte de dentes decíduos em crianças prematuras. [Tese de Doutorado]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2012.

Menoli APV, Melo MM, Walter LRF. Complicações dentais associadas ao uso de intubação orotraqueal e laringoscopia. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê, 1998; 1(1):9-14.

Macey-Dare LV, Moles DR, Evans RD, Nixon F. Long-term effect of neonatal endotracheal intubation on palatal form and symmetry in 8-11-year-old children. Eur J Orthod, 1999; 21(6):703-10.

Melo NSFDO, Da Silva RPGVC, De Lima AAS. The neonatal intubation causes defects in primary teeth of premature infants. Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub, 2014; 158(4): 605-12. .

Hohoff A, Rabe H, Ehmer U, Harms E. Palatal development of preterm and low birthweight infants compared to term infants – What do we know? Part 2: The palate of the preterm/ low birthweight infant. Head Face Medi, 2005; 1(1):9.

Almeida ER, Narvai PC, Frazão P, Guedes-Pinto AC. Revised criteria for the assessment and interpretation of occlusal deviations in the deciduous dentition: a public health perspective. Cad Saude Publica, 2008; 24(4):897-904.

Lara AMAE, Silva MFC. Respiração bucal: revisão de literatura. Sotau R virtual odontol, 2007; 1(4):28-32.

Nastri VHT, Bommarito S. Avaliação da respiração nos diferentes tipos faciais em pacientes com má oclusão. Rev Odonto, 2007; 15(30):97-106.

Santos FM. Estudo das Maloclusões na Dentição Decídua em Pré-escolares Nascidos Prematuros de Muito Baixo Peso Submetidos a Dispositivos e Procedimentos para 79 Journal of Oral Investigations, Passo Fundo, vol. 9, n. 1, p. 67-81, Janeiro-Junho, 2020 - ISSN 2238-510X Assistência Respiratória na UTI Neonatal. [Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2016.

Silva Filho OG, Freitas SF, Cavassan AO. Prevalência de oclusão normal e má oclusão em escolares da cidade de Bauru (São Paulo). Parte I: relação sagital. Rev Odontol Univ São Paulo, 1990; 4:130-7.

Frazão P, Narvai PC, Latorre MRDO, Castellanos RA. Prevalência de oclusopatia na dentição decídua e permanente de crianças na cidade de São Paulo, Brasil, 1996. Cad Saúde Pública, 2002; 18:1197-205.

Peres KG, Traebert ESA, Marcenes W. Diferenças entre autopercepção e critérios normativos na identificação das oclusopatias. Rev Saúde Pública, 2002; 36:230-6.

Moura C, Cavalcanti AL, Gusmão ES, Soares RSC, Moura FTC, Santillo PMH. Negative self-perception of smile associated with malocclusions among Brazilian adolescentes. Acessado em 16 de junho de 2012. Disponível em http://ejo.oxfordjournals.org/content/ early/2012/04/23/ejo.cjs022.full.pdf+html.

Sabbatini IF. Avaliação dos components anatômicos do sistema estomatognático de crianças com bruxismo, por meio de imagens obtidas por tomografia computadorizada cone beam. [Dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo, 2012.

Nogueira JS. Má Oclusão: causas e consequências uma abordagem comparativa. [Monografia]. Especialização em Saúde Coletiva e da Família. Piracicaba: Faculdade de Odontologia de Piracicaba – Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 2014.

Gimenez CMM, Moraes ABA, Bertoz AP, Bertoz FA, Ambrosano GB. First childhood malocclusion’s prevalence and its relation with breast feeding and oral habits. Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial, 2008; 13(2):70-83.

Franco KMD, Moura-Ribeiro MVVL. Interferência do nascimento pré-termo na saúde oral infantil. In: Riechi TIJS, Moura-Ribeiro MVL. Desenvolvimento de crianças nascidas pré-termo. Rio de Janeiro: Revinter, 2012, p.209-15.

Florence LGA, Bittar RA. Importância do pediatra no acompanhamento clínico do desenvolvimento da oclusão e encaminhamento primário para a promoção de saúde geral bucal. In: Chedid SJ. Ortopedia e ortodontia para dentição decídua: atendimento integral ao desenvolvimento da oclusão infantil. São Paulo: Santos, 2013. p 47-50.

Ruiz DR, Chedid SJ. A odontopediatra no contexto da promoção de saúde e na prevenção das oclusopatias durante o desenvolvimento da dentição decídua. In: Chedid SJ. Ortopedia e ortodontia para dentição decídua: atendimento integral ao desenvolvimento da oclusão infantil. São Paulo: Santos, 2013. p.147-60.

Nascimento MBR, Issler H. Aleitamento materno em prematuros: manejo clínico hospitalar. J Pediatr, 2004; 80(5 Supl):S163-S172.

Sassa AH, Schmidt KT, Rodrigues BC, Ichisato SMT, Higarashi IH, Marcon SS. Bebês prétermo: aleitamento materno e evolução ponderal. Rev Bras Enferm, 2014; 67(4):594-600. 80 Journal of Oral Investigations, Passo Fundo, vol. 9, n. 1, p. 67-81, Janeiro-Junho, 2020 - ISSN 2238-510X

Lopes AM, Silva GRF, Rocha SS, Avelino FVSD, Soares LS. Amamentação em Prematuros: caracterização do binômio mãe-filho e autoeficácia materna. Rev Bras Promoç Saúde, 2015; 28(1):32-43.

Yamamoto RCC, Keske-Soares M, Weinmann ARM. Características da sucção nutritiva na liberação da via oral em recém nascidos pré-termo de diferentes idades gestacionais. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(1):98-105.

Silva CS. Avaliação da Coordenação Sucção/Deglutição/Respiração através da Ausculta Cervical Digital em Recém-nascidos Pré-termo e a Termo. [Dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

Rocha NMN, Martinez FE, Jorge SM. Cup or bottle for preterm infants: effects on oxygen saturation, weight gain, and breastfeeding. J Hum Lact, 2002; 18(2):132-8.

Delgado SE, Halpern R. Amamentação de prematuros com menos de 1500 gramas: funcionamento motor-oral e apego. Pró-Fono Rev Atualiz Científ, 2005; 17(2):141-52.

Borges AC. Terapia Nutricional de recém-nascidos Prematuros em um Hospital Público do Espírito Santo. [Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Nutrição]. Vitória: Centro Universitário Católico de Vitória, 2016.

Neiva FCB, Leone CR. Efeitos da estimulação da sucção não nutritiva na idade de início da alimentação via oral em recém-nascidos pré-termo. Rev paul pediatria, 2007; 25(2):129-34.

Silva JT. Hábitos Parafuncionais Infantis e o seu Impacto na Cavidade Oral. [Dissertação]. Portugal – Porto: Faculdade de Ciências da Saúde - Universidade Fernando Pessoa, 2012.

Carvalho SLP. Hábitos de Sucção Não Nutritivos em Pacientes Pediátricos. [Dissertação]. Lisboa: Faculdade de Medicina Dentária – Universidade de Lisboa, 2014.

Emmerich A, Fonseca L, Elias AM, Medeiros UV. Relação entre hábitos bucais, alterações oronasofaringianas e mal-oclusões em pré-escolares de Vitória, Espírito Santo, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2004;20(3):689-97.

Galvão ACUR, Menezes SFL, Nemr K. Relation of deleterious oral habits among children from 4 to 6 year old in public and private schools in the city of Manaus – AM. Revista CEFAC, 2006;8(3):328-36.

Rocha AD, Moreira MEL. Sucção Não Nutritiva em Recém-nascidos Pré-termos. Rev Pediatr SOPERJ, 2005; 6(11):10-5.

Neiva FCB, Leone CR. Evolução do ritmo de sucção e influência da estimulação em prematuros. Pró-Fono - Rev Atualiz Científ, 2007; 19(3):241-8.

McCormick MC. The contribution of low birth weight to infant mortality and childhood morbidity. N Engl J Med, 1985; 312(2):82-90.

Paneth NS. The problem of low birth weight. Future Child, 1995; 5(1):19-34.

Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília, DF, 2011. 203p. (Série A - Normas e Manuais Técnicos, v.1 e 3). 81 Journal of Oral Investigations, Passo Fundo, vol. 9, n. 1, p. 67-81, Janeiro-Junho, 2020 - ISSN 2238-510X

Hernandez AM. Conhecimentos essenciais para atender bem o neonato. São José dos Campos: Pulso, 2003, p. 47-78.

Mossey PA. The heritability of malloclusion: part 2. The influence of genetics in malloclusion. British J orthod, 1999; 26(3):195-203.

Oliveira PO, Weiler RME, Porto LC, Spezzia S. Associação entre Hábitos Parafuncionais e Sinais e Sintomas de Disfunção Temporomandibular em Adolescentes. Anais dos Trabalhos do II Simpósio de Atenção Multidisciplinar à Saúde do Adolescente. Setor de Medicina do Adolescente - Centro de Atendimento e Apoio ao Adolescente - Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, 2015.

Harila V, Heikkinen T, Gron M, Alvesalo L. Open bite in prematurely born children. J Dent Child, 2007; 74(3):165-70.

Paulsson L, Bondemark L. Craniofacial morphology in prematurely born children. Angle Orthod, 2009; 79(2):276-83.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021